Usando música para desenvolver mindfulness

Instrumentos musicais podem ser ferramentas importantes para treinar a atenção de nossos filhos. Obviamente a primeira coisa de que lembramos são os sons que eles produzem, mas quando introduzindo um instrumento musical podemos fazer com que primeiro as crianças observem visualmente o instrumento, detalhando suas características como formatos e cores, e mesmo criando hipóteses sobre quais cores, texturas e temperatura podem ter. Essa parte da criação de hipóteses, no caso das crianças, ajuda a estimular a curiosidade, mantendo-as conectadas no exercício. Após a exploração visual, passaremos então para o experimento do toque, onde faremos com que as crianças peguem o(s) instrumento(s), sintam sua textura e solidez. E, quando estiverem prontas, poderão efetivamente tentar extrair sons a partir deles.

Agora, é nesta parte dos sons que as coisas podem ficar bem interessantes. Estamos cercados de sons. Todo o tempo. E exatamente por isso vamos nos acostumando de tal forma que perdemos nossa capacidade de nos maravilharmos com eles.

As crianças ainda têm este senso de maravilhamento e estimulando sua curiosidade no ver, sentir e ouvir cada instrumento musical estaremos incentivando para que elas continuem abertas ao mundo sonoro e possam perceber ainda mais suas nuances. Estimule isso pedindo para descreverem aquilo que ouvem. Sons podem ser altos, baixos, graves, agudos, estridentes, suaves, próximos, distantes, suspirados, secos… há uma quantidade imensa de sutilezas a serem exploradas. E quando elas escutam um som, como elas se sentem? Conseguem conectar sons e sentimentos? Dependendo da idade de sua criança talvez você precise ajudá-las explicando as possibilidades. Mas mantenha sempre uma atitude de abertura e não de doutrinação. Estimule-as a descobrirem!

Um experimento muito importante em termos de incentivar um contato mais próximo e íntimo com a realidade da experiência, é explorar os sons com os olhos fechados e com os olhos abertos. Há diferença! E o mesmo pode ser dito se colocamos os sons em sequência e os apresentamos na forma de música. Uma boa música pode ser base para a descoberta de um alto nível dos sons, a discriminação no sistema auditivo, o ritmo de ativação e silêncio e, é claro, dos sentimentos que provocam.

Com olhos abertos ou fechados, peça para as crianças percebem também os diferentes sentimentos que surgem nessas duas opções. Podemos alternativamente tocar um instrumento ou tirar som de um objeto sem que esteja visível para as crianças.

Faça-as descobrirem o que é, como se sentem, e mesmo como experienciam os sons em seus próprios corpos quando ouvindo um som ou uma música. Toda uma possibilidade de entendimento e conversação sobre sentimentos pode iniciar a partir daqui entre você e seus filhos ou pequenos alunos.

* Ricardo Sasaki é psicólogo clínico e um dos professores do NUMI.

no replies

Deixe uma resposta